O POEMA NO ARMÁRIO DA FÍSICA QUÂNTICA

Um dos fundadores da teoria quântica, Schrödinger,
contou a famosa história do gato, para enfatizar
que a teoria quântica diz algo “absurdo”.
O gato não observado de Schrödinger,
está simultaneamente morto e vivo — até que observá-lo
faça com que esteja ou morto ou vivo.
Digo, então, para ti:
Este poema, que não foi observado por Schrödinger,
está ao mesmo tempo morto e vivo.
Se tu, leitor, o observas morto o poema está morto.
Se o observas vivo, o poema está vivo.
O poema não existe. Nunca existirá sem ti.
Não foi afinal uma criança que gritou que o rei ia nu?
E tu alguma vez viste o rei nu?
O misterioso do poema não está no que o poema diz.
Está na criança que o observa e entre eles acontece
uma história privada.
Digo assim:
Este poema é uma onda — umas vezes partícula
outras vezes luz.
E brinca ao absurdo com o gato de Schrödinger.

 

_
▪ Maria Azenha
( Portugal 🇵🇹 )
— inédito

 

FALÁVAMOS DO IMPREVISTO

Falávamos do imprevisto
Das oportunidades que a vida nos dá. Do esforço, do rompimento,
Da investida.
Mas foram os teus olhos que me fizeram prosseguir nesta jornada.
Acreditei-os e desejara, desde logo, tudo. Menos o corpo.
Nada percebia dessas coisas.
Na minha vida tive apenas um laranjal
Cujos frutos não tive a quem dar e eu teria gostado de certa clientela.

Falámos de amor (eu não sabia o seu significado ou já teria
esquecido, nem sei)
E esperei que resumisses o teu corpo e o meu
Na combustão da locomotiva que partira, momentos antes.

Primeiro, despi-te em pensamento
Depois encontrei-te na ideia mais concreta de seres
um pássaro entre laranjas.

(a ti, leitor: muda de página, parte na tua história).

 

___
▪ Rui Pedro Gonçalves
( Portugal 🇵🇹 )
Da revista “Telhados de Vidro”, Edições Averno, 2009

AO SOLDADO INTERNACIONAL CAÍDO NA ESPANHA

Se há homens que contém uma alma sem fronteiras,
espalhada a fronte e cabelos pelo mundo,
coberta de horizontes, barcos e cordilheiras,
com areia e neve, tu és um desses.

As pátrias te convocaram com todas as suas bandeiras,
que teu alento cobriu de movimentos belos.
Quiseste apaziguar a sede das panteras,
e hasteaste pleno contra seus flagelos.

Com o sabor de todos os sóis e mares,
a Espanha te colhe para que nela realizes,
tua majestade de árvore que abarca o continente.

Através dos teus ossos irão as oliveiras
desenraizando da terra as mais férreas raízes,
abraçando aos homens universal, fielmente.

 

_
▪ Miguel Hernández
( Espanha 🇪🇸 )
in “Viento del Pueblo”, Valencia, Socorro Rojo Internacional, 1937
Prólogo de Tomás Navarro Tomás

*

Mudado para português do brasil por _ Gustavo Petter 🇧🇷 Poeta, tradutor, professor.
Publica poemas e traduções na página agradaveldegradado.blogspot.com.br


 

AL SOLDADO INTERNACIONAL CAÍDO EN ESPAÑA

 

Si hay hombres que contienen un alma sin fronteras,
una esparcida frente de mundiales cabellos,
cubierta de horizontes, barcos y cordilleras,
con arena y con nieve, tú eres uno de aquéllos.

Las patrias te llamaron con todas sus banderas,
que tu aliento llenara de movimientos bellos.
Quisiste apaciguar la sed de las panteras,
y flameaste henchido contra sus atropellos.

Con un sabor a todos los soles y los mares,
España te recoge porque en ella realices
tu majestad de árbol que abarca un continente.

A través de tus huesos irán los olivares
desplegando en la tierra sus más férreas raíces,
abrazando a los hombres universal, fielmente.

 

_
▪ Miguel Hernández
( Espanã 🇪🇸 )
in “Viento del Pueblo”, Valencia, Socorro Rojo Internacional, 1937
Prólogo de Tomás Navarro Tomás

 

NÚMEROS

Gosto da generosidade dos números.
Do modo como, por exemplo,
desejam contar
alguma coisa ou alguém:
dois legumes em vinagre, uma porta para o quarto,
oito bailarinas vestidas de cisnes.

Gosto da domesticidade da adição —
adicione dois copos de leite e agite —
do sentido da abundância: seis ameixas
no chão, mais três
a cair da árvore.

E das multiplicações escolares
de peixes vezes peixes,
os seus corpos prateados aumentando
sob a sombra
de um barco.

Mesmo a subtracção nunca significa perda,
apenas soma em qualquer outro lugar:
de cinco pardais tiram-se dois,
os dois que estão agora
no jardim de alguém.

Há uma amplitude imensa na divisão,
dentro de uma caixa chinesa
abre-se uma caixa de papel,
dentro de cada biscoito dobrado
uma nova fortuna.

E nunca deixa de me surpreender
a dádiva de um excedente que resta,
liberto no fim de tudo:
quarenta e sete divididos por onze dá quatro,
e sobram três.

Três rapazes para além do chamamento das suas mães,
dois italianos livres do mar,
uma meia que nunca está onde a procuras.

 

_
▪ Mary Cornish
( E.U.A. 🇺🇲 )
in “Trocando Dólares por cêntimos” / Alguma Poesia Norte-Americana, Editora Contracapa, 2020

*

Mudado para português por _ Luís Filipe Parrado  🇵🇹  Poeta, Tradutor e Professor



 

NUMBERS

 

I like the generosity of numbers.
The way, for example,
they are willing to count
anything or anyone:
two pickles, one door to the room,
eight dancers dressed as swans.

I like the domesticity of addition—
add two cups of milk and stir—
the sense of plenty: six plums
on the ground, three more
falling from the tree.

And multiplication’s school
of fish times fish,
whose silver bodies breed
beneath the shadow
of a boat.

Even subtraction is never loss,
just addition somewhere else:
five sparrows take away two,
the two in someone else’s
garden now.

There’s an amplitude to long division,
as it opens Chinese take-out
box by paper box,
inside every folded cookie
a new fortune.

And I never fail to be surprised
by the gift of an odd remainder,
footloose at the end:
forty-seven divided by eleven equals four,
with three remaining.

Three boys beyond their mother’s call,
two Italians off to the sea,
one sock that isn’t anywhere you look.

_
▪ Mary Cornish
( U.S.A. 🇺🇲 )
From “Red Studio”, Oberlin College Press, 2007