FUI À RUA BUSCAR A MORTE

 

_____Fui à rua buscar a morte que andava desaustinada pelas paredes
como cão raivoso. Ofereci-lhe o braço, trouxe-a comigo, fi-la minha amante. Num leito de linho nos deitámos e em segredo me falou dias seguidos sobre a sua infância, a solidão debaixo da terra, o amor pela natureza. Explicou-me como acariciava os bichos comedores de cadáveres e dessa alegria maliciosa.
_____ A morte passou a ter para mim muita importância. Comecei a vesti-la de alvas roupas, coser-lhe flores ao crânio, amando-lhe a face lívida, iniciando-a numa sensualidade sem fim.
_____ Então, numa manhã a Morte sorriu mostrando nos seus lábios o seu carácter perfeito, isento de mesquinhez; beijou-me a boca, as pernas, o coração. Perturbou-me.
_____ No meu interior países fervilharam, milhões de rostos se viraram à luz: Tudo era claro como nunca sucedera.

_____ Começara outra vida: dera-se a iluminação.

 

_
▪ Isabel de Sá
( Portugal 🇵🇹 )
in “Esquizo Frenia” , &etc, Lisboa, 1979



 

SALÍ A LA CALLE A BUSCAR LA MUERTE 

 

_____ Salí a la calle a buscar la muerte que andaba sobresaltada por las paredes como un perro rabioso. Le ofrecí el brazo, la traje conmigo, la convertí en mi amante. En un lecho de lino nos acostamos en secreto me habló durante días seguidos sobre su infancia, la soledad bajo la tierra, el amor a la naturaleza. Me habló de cómo acariciaba los animales comedores de cadáveres y de esa alegría maliciosa.
_____ La muerte comenzó a tener para mí mucha importancia. Comencé a vestirla con ropas claras, a coserle flores en el cráneo, amando su faz lívida, iniciándola en una sensualidad sin fin.
_____ Entonces, en una mañana la Muerte me sonrió mostrando en sus labios su carácter perfecto, exento de mezquindad; me besó en la boca, en las piernas, en el corazón. Me perturbó.
_____ En mi interior hervían países, millones de rostros volteaban hacia la luz: Todo era claro como nunca había sucedido.

_____ Había comenzado otra vida: ocurrió la iluminación.

 

_
▪ Isabel de Sá
( Portugal 🇵🇹 )
in “Esquizo Frenia” , &etc, Lisboa, 1979

*

Mudado para castelhano por — Carlos Ciro 🇨🇴  Editor, tradutor, poeta e ensaísta.

 

░ O passageiro de barbas

Consta que vestia como um operário,
mas a camisa
imaculadamente branca. O chapéu
de abas largas guardava
o crânio do poeta da democracia.
Cantou sozinho,
percorreu léguas, foi quase vadio.
Na sua bíblia os salmos incitam
à fraternidade, à vida plena.
Cantou a saúde e a bondade,
a rebeldia. Cantou o sexo
naturalmente livre e a América
não gostou.
Acabou os seus dias na casita
em Camden, atafulhada de exemplares
de Leaves of Grass
numa rua miserável, fedorenta.

 

_
▪ Isabel de Sá
(Esmoriz, n. 1951)
in “Repetir o Poema”, Edições Quasi, V.N. de Famalicão, 2005

░ Conclusão

Fui amante da morte
e da beleza. Vi a loucura,
acreditei na vida.
Da infância falei
como lugar de abismo.
O prazer
foi também a grande fonte
de perturbação e alegria.
Lembrei mulheres
que recusaram submeter-se,
escrevi palavras fúnebres.

Não poupei a adolescência,
o coração magoado
e não soube que fazer
de mim fora das palavras.
Escrevi para desistir
e depender
e ter identidade.

_
▪ Isabel de Sá
(Esmoriz, n. 1951)
in “Repetir o Poema”, Edições Quasi, V.N. de Famalicão, 2005

░ Manhã de Agosto

Nesta manhã de Agosto
encontrei o papel onde tinha escrito
a idade em que Blaise Cendrars
perdeu a mão direita
e fiquei a sentir a dor
que me atormentava. Não tomei aspirina
nem esqueci a tua carta
de ontem, aquele momento
em que dizes eu querer
arrastar-te comigo “para esse universo
onde a vida é trocada por palavras”.

Tenho lido os poetas
da minha geração. Conheço
o primeiro poema, aquele que inaugurou
a vida, também em mim.
Cansada de ir à praia, à piscina,
procuro livros, uma emoção linguística,
o verso desconhecido.
Guardei uma frase de Musil, na caixa
onde tenho os selos, um minúsculo relógio
que decidi não usar.

Não posso viver sem a música de Schubert,
ou aquela peça de Brahms – tudo isto
são palavras, a vida passa-se lá fora,
o Inverno há-de vir e não poderei
totalmente fugir ao desconforto.

Falava-se de As Túlipas
e começo a entender. Esta música,
estas palavras, a morte na dobra do lençol,
meu frio corpo na penumbra, no paraíso inicial
da anestesia. Perdida a razão no inferno
da dor, a cabeça irreal, meu poema
esquecido na margem do sono. A morfina,
as enfermeiras, tudo o que pudesse
polir o tormento.

E hoje acabei
por tomar aspirina, gastar o rosto,
permanecer em casa.

 

_
▪ Isabel de Sá
(Esmoriz, n. 1951)
In “ O Duplo Dividido”, &etc Editora, Lisboa, 1993