PÁSSAROS E SACOS

Bandos de pardais entristecem-me
quando, rápidos, voam pelos campos
e gorjeiam, secos e ásperos,
pela sua pobreza bem arada.
Não deixem nunca de fazer-me companhia.
Quase nada nos acompanha até ao fim.
Também não me abandona o cheiro dos sacos
que me serviam de cama no fundo do carro
quando andava, em criança, nas vindimas.
Saía antes da alvorada. Os sobressaltos
das rodas e o ritmo forte, calmo,
dos cascos cravados adormeciam-me.
Os sacos ainda fazem a vez de mãe.
O seu cheiro regressa, denso e cálido,
enquanto vejo como brilha ao sol a relva
e os bandos de pardais, desesperados,
procuram um lugar onde poisar
e saciar uma fome pequena e dura.
Voam, voam comigo até ao fim.

 

_
▪ Joan Margarit
(Espanha 🇪🇸 )
in “Misteriosamente Feliz”, Editora Língua Morta, Lisboa, 2015

*

Mudado para português por _ Miguel Filipe Mochila 🇵🇹  Poeta, tradutor e professor

 

LAGOA

E o anjo disse então: vou revelar-te
o que pintam agora os mestres antigos. E
levou-me a outra sala e mostrou-me uma
paisagem: uma lagoa de águas verde-azuladas, com
vestígios de um naufrágio e uma multidão em cada
margem.
Quem são, perguntei; porque choram.
Os que nasceram no século da morte da
morte, respondeu; os que nunca mais poderão
atravessar para o outro lado.

 

_
▪ Abraham Gragera
(Espanha 🇪🇸 )
in “El tiempo menos solo”, Editorial Pre-Textos, Valencia, 2013

*

Mudado para português por — Maria Soledade Santos 🇵🇹 Poeta, Tradutora e Professora.

Nasceu em 1957, no Sabugal. Publicou “Quatro Poetas da Net” (Edições Sete Sílabas, 2002) e “Sob os teus pés a terra” (Artefacto vertente editorial da Cossoul, 2011); participou em “Divina Música”, Antologia de Poesia sobre Música, Viseu, 2010.
Mantém os blogues de poesia e tradução: Metade do Mundo Mudanças & Cia


 
LAGUNA

 

Y el ángel dijo entonces: te enseñaré qué
pintan ahora los maestros antiguos. Y
me llevó a otra sala, y me mostró un
paisaje: una laguna de aguas verdiazules, con
huellas de un naufragio, y una multitud en cada
orilla.
Quiénes son, pregunté; por qué lloran.
Los que nacieron en el siglo de la muerte de
la muerte, respondió; los que ya nunca podrán
cruzar al otro lado.

 

_
▪ Abraham Gragera
(Espanha 🇪🇸 )
in “El tiempo menos solo”, Editorial Pre-Textos, Valencia, 2013

 

AO SOLDADO INTERNACIONAL CAÍDO NA ESPANHA

Se há homens que contém uma alma sem fronteiras,
espalhada a fronte e cabelos pelo mundo,
coberta de horizontes, barcos e cordilheiras,
com areia e neve, tu és um desses.

As pátrias te convocaram com todas as suas bandeiras,
que teu alento cobriu de movimentos belos.
Quiseste apaziguar a sede das panteras,
e hasteaste pleno contra seus flagelos.

Com o sabor de todos os sóis e mares,
a Espanha te colhe para que nela realizes,
tua majestade de árvore que abarca o continente.

Através dos teus ossos irão as oliveiras
desenraizando da terra as mais férreas raízes,
abraçando aos homens universal, fielmente.

 

_
▪ Miguel Hernández
( Espanha 🇪🇸 )
in “Viento del Pueblo”, Valencia, Socorro Rojo Internacional, 1937
Prólogo de Tomás Navarro Tomás

*

Mudado para português do brasil por _ Gustavo Petter 🇧🇷 Poeta, tradutor, professor.
Publica poemas e traduções na página agradaveldegradado.blogspot.com.br


 

AL SOLDADO INTERNACIONAL CAÍDO EN ESPAÑA

 

Si hay hombres que contienen un alma sin fronteras,
una esparcida frente de mundiales cabellos,
cubierta de horizontes, barcos y cordilleras,
con arena y con nieve, tú eres uno de aquéllos.

Las patrias te llamaron con todas sus banderas,
que tu aliento llenara de movimientos bellos.
Quisiste apaciguar la sed de las panteras,
y flameaste henchido contra sus atropellos.

Con un sabor a todos los soles y los mares,
España te recoge porque en ella realices
tu majestad de árbol que abarca un continente.

A través de tus huesos irán los olivares
desplegando en la tierra sus más férreas raíces,
abrazando a los hombres universal, fielmente.

 

_
▪ Miguel Hernández
( Espanã 🇪🇸 )
in “Viento del Pueblo”, Valencia, Socorro Rojo Internacional, 1937
Prólogo de Tomás Navarro Tomás

 

VELHO POETA

Recebi tudo de vós:
Prêmios, honrarias, reconhecimento.

Renderam-se a meus méritos, com unânime aplauso,
as difíceis portas da Academia.

Os jovens me chamam mestre e procuram emular-me.

Com a idade logrei domesticar o tigre
que levo dentro; ser cortês,
amável, agradecido.

E, orgulhoso, em meu peito sustento as medalhas
das mais altas distinções.

Medalhas…
_____________ ¡Infantis miçangas,
desapiedados cencerros da glória!

Quanto, quanto daria para ser torpe, inexperiente,
maravilhado, jovem balbuciante
com todos os poemas pela frente.

 

_
▪ José Luis Parra
(Espanha 🇪🇸 )
in “De la frontera”,València, Pre-Textos, 2009

*

Mudado para português do brasil por _ Gustavo Petter 🇧🇷 Poeta, tradutor, professor.
Publica poemas e traduções na página agradaveldegradado.blogspot.com.br



 

VIEJO POETA

 

He recibido todo de vosotros:
premios, honores, reconocimientos.

Se han rendido a mis méritos, con unánime aplauso,
las difíciles puertas de la Academia.

Los jóvenes me llaman maestro y procuran emularme.

Con la edad he logrado domesticar al tigre
que llevo dentro; ser cortés,
amable, agradecido.

Y, orgulloso, en mi pecho ostento las medallas
de las más altas distinciones.

Medallas…
_____________   ¡Infantiles abalorios,
despiadados cencerros de la gloria!

Cuánto, cuánto daría por ser torpe, inexperto,
maravillado, joven balbuceante
con todos los poemas por delante.

 

_
▪ José Luis Parra
(España 🇪🇸 )
in “De la frontera”,València, Pre-Textos, 2009

O TELEFONE NEGRO

 

_____ Marquei os números antigos com um vago desejo de respostas,
sabendo já que ninguém me esperava.
Com um desejo vão de ouvir vozes amadas
e que reconhecessem também a minha voz.
Meu telefone é negro,
e na noite ainda mais negra,
somente ouvia o som que chamava uns sepulcros.
E eu sozinho em casa.
______________________ Rasga-se a manhã
nos vidros turvos. Vai chegando o Verão.
Cantam os pássaros (os mesmos?),
E não sei se há consolo.

_____ Com a luz que nua amanhece,
nu, entro em casa,
_____________________ e toca o telefone.
Apresso-me. Digo-lhe que me fale.
Continua o silêncio, sei que estão a falar.
Sai a voz de alguma boca morta,
ou, acaso, de tão só, em mim há surdez?
Oiço outra vez os pássaros. E sei que são os mesmos
que então cantavam, tão eternos e frágeis.
Tenho que falar. Com quem,
se não saem também sons da minha boca?

 

_
▪ Francisco Brines
( Espanha 🇪🇸 )
in “A última costa”, Assírio & Alvim, Lisboa, 1997

*

Mudado para português por — José Bento 🇵🇹  Poeta e tradutor