TRICÍDIO

Matei meu pai e minha mãe com um garfinho
– com um garfinho – porque os confundi com dois
pássaros nas árvores do caminho. Matei os meus pais
com a pinça de catar cubos de açúcar do meu avô:
não disse uma só palavra o adorado ídolo a quem eu,
todas as manhãs, saúdo tirando o chapéu. O gato da
minha vizinha tomou-me sob a sua protecção. Veio
sentar-se a meu lado, vigiando-me constantemente – a
sua crina, de pele de coelho bestialmente escovada por
detrás e os seus olhos em forma de ovos de cegonha.

Agora estou só agora e mortalmente triste:

todo o trabalho abandonado: choro – apoiada no
caixãozinho onde dormem lado a lado.

o meu pai e a minha mãe que eu matei com um garfinho
no maldito dia dos meus dezasseis anos.

 

Marianne Van Hirtum
Bélgica (1935-1988)
Tradução de Regina Guimarães

ENCONTRO NUMA FESTA EM LONDRES

Durante um minuto permanecemos desconcertadamente juntos.
Perguntas a ti mesmo em que língua hás-de falar-me,
ofereces, antes, uma cebola avinagrada num palito.
És jovem e talvez te esqueças
de que o Império vive
apenas nos sons puros das vogais que te ofereço
acima do ruído.

 

_
▪ Eunice de Souza
( India 🇮🇳 )
in “Rosa do Mundo” [2001 Poemas para o Futuro], Assírio & Alvim, 2001

*

Mudado para português por _ Cecília Rego Pinheiro 🇵🇹  Tradutora e Professora

DOIS POEMAS DE J. R. SOLONCHE

 
Lazarus

 

“Lazarus, arise,” you said.
And I arose.
I walked out of the darkness into the sunlight.
I shielded my eyes with my hand against the sun.
I stood there and waited.
I waited for you to tell me what to do next.
What did you want me to do?
Did you want me to speak of what death was?
Did you want me to go to my family and resume my life?
Did you want me to follow you in your preaching?
To testify on your behalf as a maker of miracles?
I stood there.
I waited.
You never told me what to do.
So when all of you were gone, I took down my hand from my eyes.
I turned and walked into the tomb.
I waited to die again.
I waited to die from thirst.
I waited to die from hunger.
It took a long time.

 

Lázaro

 

“Lázaro, levanta-te!”, disseste.
E eu ergui-me.
Saí da escuridão para a luz do sol.
Protegi os meus olhos com a mão.
Fiquei ali à espera.
À espera de que me dissesses o que fazer.
Que querias que eu fizesse?
Que falasse sobre o que era a morte?
Que voltasse para a minha família e reatasse a minha vida?
Que te acompanhasse na pregação?
Que testemunhasse a teu favor como fazedor de milagres?
Fiquei ali.
À espera.
Nunca me disseste o que fazer.
Assim, quando todos abalaram, tirei a mão dos olhos.
Virei-me e voltei para o túmulo.
À espera de morrer de novo.
De sede.
De fome.
Levou imenso tempo.

 

*

That red wheelbarrow

 

How disappointed I was
when I found out
that the story wasn’t true,
that he had noticed it
through the window
of the room of the sick
little girl he was called
to tend to, but that it
actually belonged
to an old black street
vendor in Rutherford.
Of course, so much did
depend on it regardless
of whose it was,
and the rain water
did still glisten on it,
and the white chickens
were still white and
were still going to get
their throats cut. So
perhaps it’s a good thing
it was the street vendor’s.
The little girl would
have given them names.

 


O carro de mão vermelho

 

Que desapontado fiquei
quando soube
que a história não era verdadeira,
que dera conta dele
pela janela
do quarto da miúda
adoentada que fora
chamado a consultar, mas que
na verdade pertencia
a um velho vendedor ambulante
negro em Rutherford.
Claro que tanta coisa
dependia dele a quem quer
que pertencesse,
a água da chuva
ainda nele cintilava,
os frangos brancos
ainda eram brancos e
ainda iam ter os pescoços
cortados. Talvez fosse
pois uma boa coisa
pertencer ao vendedor.
A miúda ter-lhes-ia
posto nomes.

 

_
▪ J. R. Solonche
(U.S.A. 🇺🇲)

*

Mudado para português por _ Francisco José Craveiro de Carvalho   Poeta, Tradutor e Matemático

 
 

DOIS POEMAS DE LINDA PASTAN

 

Popcorn
 
When Plato said
that what we see are shadows
flickering on a cave wall,
he must have meant
the movies.
You let a cigarette lean
from your mouth precisely
as Bogart did.
Because of this, reels later,
we say of our life
that it is B-grade;
that it opened and will close
in a dusty place where
things move always
in slow motion;
that what is real
is the popcorn
jammed between our teeth.

 
Pipocas
 
Quando Platão disse
que o que vemos são sombras
a tremularem na parede de uma caverna
deve ter querido referir-se
ao cinema.
Tu deixas um cigarro pender
da boca exactamente
como Bogart.
Por causa disso, bobinas mais tarde,
dizemos que a nossa vida
é um filme série B;
que começou e terminará
num lugar poeirento onde
tudo acontece sempre
em câmara lenta;
que o que é real
são as pipocas
presas entre os nossos dentes.

 
Rereading Frost
 
Sometimes I think all the best poems
have been written already,
and no one has time to read them,
so why try to write more?

At other times though,
I remember how one flower
in a meadow already full of flowers
somehow adds to the general fireworks effect

as you get to the top of a hill
in Colorado, say, in high summer
and just look down at all that brimming color.
I also try to convince myself

that the smallest note of the smallest
instrument in the band,
the triangle for instance,
is important to the conductor

who stands there, pointing his finger
in the direction of the percussions,
demanding that one silvery ping.
And I decide not to stop trying,

at least not for a while, though in truth
I’d rather just sit here reading
how someone else has been acquainted
with the night already, and perfectly.

 
Relendo Frost
 
Penso às vezes que os melhores poemas
já foram todos escritos
e ninguém tem tempo para os ler,
porquê então tentar escrever mais?

Noutras alturas contudo
lembro-me de como uma flor
num campo já cheio delas
acrescenta algo àquele efeito de fogo de artifício

ao chegarmos ao cimo de um monte
no Colorado, digamos, no pino do verão
e olharmos para toda aquela cor transbordante.
Tento convencer-me também

de que a nota mais pequena do instrumento
mais pequeno na orquestra,
os ferrinhos por exemplo,
é importante para o maestro

ali de pé, apontando o dedo
na direcção da percussão,
exigindo aquele ping argentino.
E resolvo não parar de tentar,

por uns tempos pelo menos, embora na verdade
eu preferisse sentar-me apenas aqui a ler
como outra pessoa se familiarizou
já, e perfeitamente, com a noite.
 

_
▪ Linda Pastan
(E.U.A. 🇺🇲)
in “Estes anos a desaparecerem”, Douda Correria, Lisboa, 2021

*

Mudado para português por _ Francisco José Craveiro de Carvalho 🇵🇹  Poeta, Tradutor e Matemático

 

Mudança

Havia meses que não escrevia
nem um único poema.
Vivia com humildade, lendo os jornais,
pensando no enigma do poder
e nas causas da obediência.
Olhava para os pores-do-sol
(escarlates, cheios de inquietação),
escutava o emudecimento das vozes dos pássaros
e o silêncio da noite.
Via os girassóis a pendurarem
as cabeças ao lusco-fusco, como se um carrasco distraído
passeasse por entre os jardins.
No parapeito recolhia-se
a doce poeira de Setembro enquanto os lagartos
se escondiam nas curvaturas dos muros.
Dava longos passeios,
sedento duma coisa só:
dum relâmpago,
duma mudança,
de ti.

 

_
▪ Adam Zagajewski
( Polónia 🇵🇱 )
in “Sombras de sombras”, Selecção e Tradução de Marco Bruno 🇵🇹, Editora Tinta da China, Lisboa, 2017