ORAÇÕES

Mostra-mo a janela do quarto.
A luz desenha-o com pulso firme,
a claridade matiza-o
com manchas de pintor impressionista
numa tela de areia.
Mostra-o, mas não o entrega.
O espaço. O cheiro da terra húmida,
folhas dispersas pelo canal,
lampejos de limão maduro,
fragrância das rosas
quando amanhece, sinfonia
caótica de pássaros, canção
da chuva nos canos
e nos vidros. O espaço
está em mim,
embora não o possua. Em mim persiste
se o contemplo da janela.
Não me mostra o que vou vendo,
mas aquilo que sou.

 

_
▪ José Ángel Cilleruelo
( Espanha 🇪🇦 )
Inédito publicado com autorização prévia do autor

Mudado para português por _ Maria Soledade Santos _ (Poeta, tradutora e professora).
Nasceu em 1957, no Sabugal. Publicou “Quatro Poetas da Net” (Edições Sete Sílabas, 2002) e “Sob os teus pés a terra” (Artefacto vertente editorial da Cossoul, 2011). Mantém os blogues de poesia e tradução: http://metade-do-mundo.tumblr.com/ e https://mdcia.wordpress.com/

 

 

ORACIONES

 

La ventana del cuarto me lo muestra.
Lo dibuja la luz con pulso firme,
la claridad lo colorea
con manchas de pintor impresionista
sobre un lienzo de arena.
Lo enseña, pero no lo entrega.
El espacio. El olor a tierra húmeda,
hojas dispersas por el cauce,
destello de limón maduro,
fragancia de las rosas
cuando amanece, sinfonía
caótica de pájaros, canción
de la lluvia en las cañerías
y en los cristales. El espacio
está en mí
aunque no lo posea. En mí pervive
si lo contemplo desde esta ventana.
No me muestra lo que estoy viendo,
sino aquello que soy.

 

_
▪ José Ángel Cilleruelo
( España 🇪🇦 )
Inédito publicado con autorización previa del autor

 

ANJOS

As noites que dormi entre rostos e palavras,
Corpos dobrados pelo vento,
Linhas para que olhei enfeitiçado
Nos confins dos meus sonhos.
Noites geladas da Europa, o meu corpo no gueto
Mas sonhando.

 

_

▪ Roberto Bolaño
( Chile 🇨🇱 )
in “La Universidad Desconocida”
Mudado para português por _ Carlos Vaz Marques 🇵🇹 Jornalista, tradutor e editor português

EU VI KAFKA NO QUARTO DE BRINQUEDOS

Eu vi Kafka no quarto de brinquedos
Conduzia um trem infinito
sobre trilhos que pareciam enguias
Debaixo da cama outra criança desarmava
uma lagarta fluorescente
A lagarta tinha o rosto de Kafka
também os móveis, os relógios
as paredes tinham seu rosto
as aranhas aborrecidas em suas teias
os brinquedos no quarto
O único que não tinha o rosto de Kafka
era o próprio Kafka cujo rosto
parecia uma página em branco

 

_
▪ Mario Meléndez
( Chile 🇨🇱 )
Mudado para português do brasil por _ Floriano Martins

ALEGRIA DEMORADA

Este poema tem um dia adormecido entre os braços.
Este dia torna-se poente a oeste do peito.
Este poente sente uma rua passar por suas veias.
Esta rua sobe ao céu em frente de uma casa.
Esta casa abre as asas quando chamo
Estas asas amparam o sono de amêndoa de Jacqueline.
Jacqueline é o retrato de uma menina de onze anos.
Esta menina aproxima-me dez horizontes com os dedos.
Estes horizontes têm uma lua sentada nos joelhos.
Esta lua nasceu numa janela minha, que já não canta.
Esta janela recupera seu céu e eu regresso pelos olhos.
Estes olhos viram uma rapariga que sorri.
Esta rapariga reclina a voz num pássaro que passa.
Esta voz é o eco dos passos do entardecer.
Este eco descansa meus caminhos e enxuga minhas estrelas.
Estas estrelas, que são filhas de tua noite e minha fronte.
Esta fronte, onde um rei de fogo governa um país de neve.

 

_
▪ Francisco Luis Bernárdez
( Argentina 🇦🇷 )
in “Rosa do Mundo”, Assírio & Alvim, Porto, 2001

*

Mudado para português por _ José Bento  

 

3 POEMAS DE ANDREA COHEN

 
Le Danton

 

She told me the name
of the poet and the name

of the café where he wrote
on St. Germaine. Go there,

she said. See him.
So I went and saw him

that winter, sitting
outside in a black

coat and ochre scarf.
He looked like a bee

exiled from summer.
He was talking

to the packets
of sugar on

the table. Tell
me everything
, he

was saying. I was
nineteen and had

my whole life
to know nothing.

 

Le Danton

 

Ela deu-me os nomes
do poeta e do café

onde ele escrevia
em Saint-Germain. Vai lá,

disse. Olha bem para ele.
Lá fui e vi-o

nesse inverno, sentado
no exterior, casaco

preto e cachecol ocre.
Parecia uma abelha

exilada do verão.
Estava a falar

com os pacotes
de açúcar sobre

a mesa. Contem-
-me tudo
, dizia

ele. Eu tinha
dezanove anos

e a vida inteira
para nada saber.

 

*

After

 

After the accident we had
the phrase after the accident.

Also this: before the accident.
We had a drawer marked

before and after, and after
and before happenings

we’d add atrocities and
incidents and the wild

asters someone before
and after keeps leaving.

 

Depois

 

Depois do acidente tínhamos
a expressão depois do acidente.

E esta: antes do acidente.
Tínhamos uma gaveta assinalada

antes e depois e antes
e depois dos eventos

juntávamos atrocidades,
episódios e os ásteres

bravos que alguém antes
e depois continua a deixar.

 

*

No moon, but

 

I knew it was
the beekeeper

who touched me,
not because she

tasted of honey,
but because she

was unafraid
of being stung.

 

Sem lua, mas

 

Soube que foi
a apicultora

que me tocou,
não porque ela

soubesse a mel,
mas porque

não tinha medo
de ser picada.

 

_
▪ Andrea Cohen
(U.S.A. 🇺🇲)
in “Everything”, Four Way Books, New York, 2021

*

Mudado para português por _ Francisco José Craveiro de Carvalho   Poeta, Tradutor e Matemático